A medicina avançou bastante nos últimos tempos, e felizmente não tratamentos nossos doentes da mesma forma que fazíamos no passado. Entretanto, é sempre curioso lembrar como os médicos eram rudimentares em épocas antigas. Nessa lista, confira 8 tratamentos médicos que felizmente não existem mais.

8. Fumar gordura de cabras para curar dor de dente.

Acredite ou não, já existiam “dentistas” (ou algo parecido com isso) há muito mais tempo do que se imagina. Cientistas já encontraram inclusive um cadáver com dentes visivelmente alterados por algum tipo de tratamento rudimentar. Essa cadáver teria pelo menos 14 mil anos de idade.

Alguns métodos eram realmente assustadores, como esse Avicenna, que recomendava o uso de uma mistura de gordura de cabra, cebola, e outros materiais para tratar dores de dente. Mas nada de passar essa mistura na boca dos pacientes… o “remédio” deveria ser fumado. Felizmente, ninguém mais faz isso.

7. Mães davam à luz sentadas

Os antigos indianos sabiam como mudar a posição do feto dentro do útero. E em algumas tribos da África, as curandeiras e parteiras eram capazes até mesmo de realizar uma técnica rudimentar de cesárea.

No período medieval, a maior parte do conhecimento antigo foi perdido devido à influência da igreja. A obstetrícia era uma área totalmente nova e subdesenvolvida, e por isso muitas mulheres e recém-nascidos acabam morrendo durante o parto.

6. Extratos de zimbro e mandrágora como anestesia

Os antigos indianos sabiam como mudar a posição do feto dentro do útero. E em algumas tribos da África, as curandeiras e parteiras eram capazes até mesmo de realizar uma técnica rudimentar de cesárea.

No período medieval, a maior parte do conhecimento antigo foi perdido devido à influência da igreja. A obstetrícia era uma área totalmente nova e subdesenvolvida, e por isso muitas mulheres e recém-nascidos acabam morrendo durante o parto.

6. Extratos de zimbro e mandrágora como anestesia

As cirurgias do passado, dadas as circunstâncias, até que não eram tão fracassadas assim. Na antiga Mesopotâmia, os médicos utilizavam álcool e ópio para que os pacientes não sentissem dor. Já no Egito Antigo, eles preparavam extratos de mandrágoras. O zimbro e a cannabis também era utilizadas por alguns povos com intuito anestésico.

5. Doenças crônicas eram tratadas com exercícios físicos e “água benta”

Nos tempos de Hipócrates (460-370 a.c), as pessoas acreditavam que a epilepsia era causada por desejo divino. Hipócrates, no entanto, acreditava que os motivos para essa doença eram o vento, o frio e o sol. Na Idade Média, as pessoas com epilepsia eram tidas como “possuídas” por demônios e tratadas com orações e água benta.

Médicos antigos tratavam a diabetes com exercícios físicos e ervas medicinais, mas obviamente isso não resultava em nenhum tipo de melhora, e os pacientes acabavam morrendo.

Outras doenças, como a psoríase (na época lepra) eram consideradas incuráveis. Nesses casos, os pacientes eram obrigados a vestir roupas com uma espécie de sino, para alertar as pessoas ao redor.

4. Quase todas as doenças eram tratadas com a sangria

A sangria era muito popular na Índia e nos países árabes, e chegou a ser mencionada também em documentos manuscritos da Grécia e do Egito. Acreditava-se na época que o sangue podia carregar “más energias”, que precisavam ser extraídas para que um paciente se curasse. Em alguns países, quem se encarregava de realizar a sangria nos enfernos eram os barbeiros. A prática se manteve com alguma popularidade até o século 19, sendo que inclusive George Washington tentou tratar uma doença desta forma, mas acabou morrendo tempo depois.

3. Veneno de cobras e ervas venenosas como remédios

Antes da invenção dos antibióticos, as pessoas lutavam contra infecções com remédios feitos à base de plantas venenosas e veneno de cobra.

2. Perfurações no crânio

Dores de cabeça, epilepsia, problemas mentais e outras desordens eram tratadas de forma drástica no passado: os médicos perfuravam o crânio de seus pacientes. Essa é considerada pelos cientistas a forma mais antiga de procedimentos cirúrgicos.

1. Enema de fumaça de cigarro

Problemas de digestão, sonolência, dores estomacais e parasitas. Tudo isso era tratado com enemas de fumaça de cigarro, um método adaptado de técnias realizadas por nativos da América do Norte. Entretanto, no século 19, foi descoberto que o cigarro possuía substâncias tóxicas, como a nicotina, e então essa prática saiu de moda.

via BrightSide.

Compartilhe com seus amigos!